O jogo de ripper

“Mi madre todavía está viva, pero la matarán el Viernes Santo a medianoche…”

Isabel Allende é uma jovem senhora de 73 anos. Nascida peruana, reconhecida como chilena, cidadã americana. Acima de tudo, uma legítima latina.
Jornalista com 20 livros na bagagem e 65 milhões de cópias vendidas. Eu a conheci muito antes de sonhar em viver no Chile. Foi assistindo o filme “A Casa dos Espíritos” baseado na história de sua obra homônima. Depois comecei a ler seus livros e me apaixonei pela sua característica de construir personagens e transitar entre o mundo social, a política, o sobrenatural. É uma autora de sensibilidade incrível, de narrativas que são pura emoção. Uma Mestra. Meu sonho seria esbarrar com ela no tradicional bairro de Providencia aqui em Santiago, onde ainda vivem alguns de seus familiares, embora ela viva atualmente em San Francisco, na Califórnia.

O Jogo de Ripper foi a estréia de Allende no gênero policial. O título faz referência a um jogo de RPG no qual os participantes assumem papéis definidos. Amanda Martín é uma adolescente que vive em San Francisco mas que tem interesses diferentes pra sua idade e uma percepção acima do normal. Sua diversão é assumir o papel de mestra no jogo de desvendar crimes com seus amigos virtuais e seu avô, Blake Jackson. Seu pai, Bob Martín, é inspetor de polícia e sua mãe, Indiana Jackson é terapeuta holística. Quando Amanda nasceu, os pais eram muito jovens e logo se separaram. A relação dela com o avô assume maior importância e, considerando que estamos tratando de um suspense, podemos assumir que eles são quase cúmplices…  Mas Amanda também recebe influências na medida certa do pai policial e da mãe sensitiva. Esse é o pano de fundo para motivar a menina a se meter com crimes reais que começam a ocorrer e, quando ela percebe, o jogo real envolve uma pessoa muito importante para ela.

Por que eu gostei muito desse livro? A narrativa já começa na agonia do que será o final do livro. Daí Allende brinca com o leitor, apresentando diversos personagens e seus conflitos, indo e voltando entre o suspense e seu próprio estilo de construção da carga de emoção que cada um carrega, combinando ingredientes policiais e místicos. É sua marca inconfundível. As características de Amanda no jogo e na vida, sua personalidade e a influência do avô, me fazem crer que ela é o alterego de Allende na história. E obviamente você fica tentando adivinhar quem, afinal de contas, é o serial killer e qual sua motivação. Você não vai conseguir antes de chegar ao fim…


Se gostou e quer mais…

Isabel Allende é uma autora envolvente e que passa muita energia. Quer conhecer sua página oficial? Veja aqui.

Isabel Allende

Vale também a pena assistir uma palestra dela no TED. O nome é “How to live passionately – no matter your age”, o que, em uma tradução livre, seria algo como “Como viver apaixonadamente – não importa sua idade”. Foi gravada em Março/2014 e tem mais de 2,3 milhões de visualizações. O aúdio está em inglês mas possui legenda em português. Clique aqui para assistir.

Captura de Tela 2015-08-07 às 11.54.24


 

Gostou da resenha e quer ler o livro? Você pode acessá-lo clicando na imagem abaixo. Comprando pela Amazon, você me ajuda a manter a página e não paga a mais por isso 😉


 

Título em Português: O JOGO DE RIPPER

Título Original: EL JUEGO DE RIPPER

Autora: Isabel Allende (Peru)

Gênero: Ficção – Policial

Nr. Páginas: 490

Ano: 2014

Editora: Bertrand Brasil (Grupo Editorial Record)

ISBN: 9788528617573

Tradução: Luis Carlos Cabral

Para ver a o link do livro na página da Bertrand, clique aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: