O Casamento

“Saltou do automóvel, uma Mercedez, e avisou ao chofer: me apanha daqui a meia hora…”

Seria Nelson Rodrigues um Anjo Pornográfico? Sua conhecida biografia, escrita por Ruy Castro, não é o assunto dessa resenha mas seria impossível não fazer referência já que seu título é tão apropriado. Sexo, tabus, perversão, preconceito, hipocrisia: para ler O casamento há que se preparar para um soco no estômago.

nelson-rodrigues-l

Esta obra é o único romance assinado pelo dramaturgo, escritor e jornalista que costumava publicar através de pseudônimo. Lançada em 1966, em plena vigência da ditadura militar no Brasil, Nelson Rodrigues ficou surpreso quando ela foi censurada como um atentado ao pudor à família brasileira. Se a história choca mais hoje ou no passado repressivo, é difícil dizer. O que de fato se pode afirmar é que, na época, a censura foi um instrumento efetivo da restrição à liberdade de expressão. Independente dessas questões, se o autor fosse vivo, ele ainda poderia soltar sua imaginação com relação ao momento atual.

Absolutamente polêmico, para alguns pervertido e para outros reacionário, Nelson Rodrigues usa as sombras do ser humano como matéria-prima de suas obras dramatúrgicas e assim ficou conhecido. Todos sabem que ele escrevia para expor desejos obscuros invertendo a lógica aparente. Ainda assim, a leitura de O casamento surpreende. A pergunta é: como o autor conseguiu agregar tantos ingredientes ou como ele pôde problematizar tantos sentimentos, desejos, complexos, traumas, recalques, a maioria deles sexuais, de uma só vez? E isso porque a história se passa em 48 horas…

Em um ritmo frenético daqueles difíceis de interromper, a narrativa lembra um folhetim ou roteiro de uma peça de teatro. A trama se desdobra em várias situações esdrúxulas mas talvez não inusitadas, no melhor estilo rodriguiano com muitas revelações, confusões, escândalos e até doses de morbidez. Seria realmente cômico se não fosse trágico.

A personagem central do enredo é Sabino Uchoa Maranhão. Ele é um homem bem sucedido que nos tempos de colégio era chamado de “bunda seca” pelos colegas por causa da sua magreza. O pequeno recalque sobreviveu à idade e se somou à obsessão de ser reconhecido como um homem de bem. Sua neura é tal que o grito a esmo de um sujeito na rua dizendo “Todo canalha é magro!” é capaz de ecoar na sua consciência como uma acusação direta.

Sua esposa Maria Eudóxia também é uma mulher preocupada com as aparências. O casal tem quatro filhas (Dirce, Marília, Arlete e Glorinha) mas claramente manifesta preferência pela caçula que é a noiva do casamento que dá título a obra.

A história começa a dois dias das bodas de Glorinha. Seu ginecologista, Dr. Camarinha, revela um segredo que leva Sabino a um dilema que pode desfazer o casamento e provocar um escândalo sendo a segunda consequência considerada muito mais grave que a primeira.

A partir daí, Nelson Rodrigues vai abordar temas relacionados a sexualidade que ainda são tabus como, a homossexualidade masculina e feminina. Além disso, para chocar um “pouco” mais, surgem outras questões como o incesto, o adultério, o machismo e o estupro. Da simples preocupação com a aparência ao preconceito arraigado, sem querer fazer juízo de valor, cada situação simplesmente expõe que nada ou ninguém é o que parece. Cada personagem, em seu fluxo de pensamento, expõe sentimentos complexos por trás de seu comportamento. Não há por parte do autor uma preocupação em atenuá-los, ao contrário, sua intenção é provocar.

E justamente por ser provocador que Nelson Rodrigues merece ser lido. Sua literatura mais parece obra de um psicanalista que indecentemente expõe seus pacientes e assim sua análise crua instiga a pensar sobre pudores e caráter. O que tem mais peso?

“É preciso ir ao fundo do ser humano. Ele tem uma face linda e outra hedionda. O ser humano só se salvará se, ao passar a mão no rosto, reconhecer a própria hediondez.”

Nelson Rodrigues


Gostou da resenha e quer ler o livro? Você pode acessá-lo clicando na imagem abaixo. Comprando pela Amazon, você me ajuda a manter a página e não paga a mais por isso 😉


 

Título: O CASAMENTO

Autor: NELSON RODRIGUES

Gênero: Ficção – Romance Brasileiro

Nr. Páginas: 269

Ano: 1966

Editora: Nova Fronteira

ISBN: 978.85.209.2649-9

9 comentários em “O Casamento

Adicione o seu

  1. Olá! Estou lendo Nelson Rodrigues aos poucos. São contos do livro A vida como ela é…em 100 inéditos. Cada um mais ácido que o outro, são contos que te fazem questionar algumas questões básicas da vida. Final feliz? Nelson Rodrigues não foi escritor para romantizar os olhos e sim trabalhar a mente. Abraço!

    Curtido por 2 pessoas

  2. Amei todos os livros que li do Nelson Rodrigues e não me alinho nem com os que acham que ele é pervertido, nem com os que o veem como reacionário. Acho que o que ele fez foi denunciar a hipocrisia da sociedade brasileira que, se hoje está mudada nos parâmetros, não mudou nada na essência.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Já li! Esse livro me arrebentou o cabeção, mudou minha vida! Até hoje não sei a quem pertencia o livro que encontrei sentado sozinho no sofá de casa. Só sei que passei a mão nele e levei pro meu quarto e li sem parar, por umas 3 horas…

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: