Sejamos todos feministas

“Okoloma era um dos meus melhores amigos de infância…”

Um pequeno grande livro. 64 páginas e um recado: sejamos todos feministas. Sim, é isso mesmo todOs no masculino. Não é todAs. Enfim, tirando minhas próprias conclusões, o recado poderia ser: sejamos todXs feministas. Não importa o gênero.

Em 2012, a autora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie deu esse recado em uma palestra na conferência anual do TEDxEuston (veja o link aqui). O TED (um acrônimo para Tecnologia, Entretenimento e Design) é uma organização sem fins lucrativos que tem como missão a disseminação de ideias inovadoras e que merecem ser compartilhadas. Nesse formato, chamado talk, os autores dessas ideias têm cerca de 20 minutos para explicá-las de forma simples, como se lança uma semente ao vento para se espalhar e dar bons frutos. Já o TEDx é uma variação desse fórum maior, compreendendo uma comunidade específica. Sendo assim, o TEDxEuston, organizado pelos colaboradores do Reino Unido, abrange temáticas inseridas no contexto da África entre Nigéria, Gana, Alemanha, Estados Unidos e Índia.

maxresdefault

E a pauta de igualdade de gênero foi levada a esse fórum por ser considerada muito importante. A página oficial do TEDx tem, até o momento, 3,6 milhões de visualizações. Posterior ao talk, surgiu a ideia do livro, digamos, para dar uma forcinha na mensagem de forma que ela pudesse chegar a um maior número de pessoas. E no Brasil, por exemplo, o e-book pode ser baixado gratuitamente tanto na página da Companhia das Letras quanto na Amazon.

51T0nPdW14L._SX348_BO1,204,203,200_

Chimamanda começa contando que um amigo a chamou de “feminista” quando ainda eram adolescentes e ela nem sabia o que isso significava.  Ele provavelmente também não  porque usou o termo de forma pejorativa, como se fosse um xingamento. A verdade é que muitas pessoas também não procuram fazer o que ela fez quando chegou em casa: procurar no dicionário.


Feminista: uma pessoa que acredita na igualdade social, política e econômica entre os sexos


Com essa simples atitude, ela entendeu desde cedo que o rótulo de feminista é cercado de estereótipos que terminam por distorcer o seu real significado.

Seja no vídeo de 30 minutos ou nas 64 páginas do livro, a escritora não usa termos específicos, não menciona citações, não recomenda autores, não expõe conceitos, não discute o movimento como história ou seu rumo atual. Ela simplesmente explica como agimos em nosso cotidiano ou como passamos por determinadas situações em função do gênero, ou seja, pelo simples fato de ser homem ou mulher. São dados exemplos na vida pessoal e profissional. Como no caso em que ela não foi escolhida monitora de turma, no caso em que parecia invisível a um garçom, no caso em que não foi bem vista em um hotel ou restaurante por estar desacompanhada de um homem.

E ainda que não se admita um desequilíbrio de tratamento nas situações mais triviais, fato é que o mercado de trabalho ainda é um dos maiores reflexos da desigualdade através da simples comparação de salários. Chimamanda aproveita para argumentar como a liderança, por exemplo, atributo tão almejado na vida profissional, independe do gênero.


“Quanto mais perto do topo chegamos, menos mulheres encontramos.”

Wangari Maathai – Prêmio Nobel da Paz 2004 (Quênia)


Outro aspecto fundamental diz respeito à maneira como se educa as crianças. Há uma predisposição de que elas assimilem comportamentos em função de seu gênero e não dos seus talentos. Nesse sentido, sofre o menino e sofre a menina. Ele não pode expôr sentimentos. Ela deve esperar o casamento. E por aí vai… Tanto que a autora acabou de publicar um novo livro onde aprofunda a questão sob a ótica da educação: Para educar as crianças feministas – Um manifesto.

14324_gg.jpg

Chimamanda sabe que o terreno é árido, no entanto, sua experiência de vida, sua formação e sua literatura (lida ou escrita por ela) já lhe habilita a ser ouvida, seja por nós que já nos consideramos feministas no sentido literal da palavra e irrestrito, ou por aqueles que possuem experiências e opiniões diferentes.

Sejamos todos feministas é um convite à observação e à reflexão. Não se trata de convencer a usar um rótulo. Não se trata do verbete. Mas se trata de que explicar seu uso porque, como Chimamanda brilhantemente adverte, estamos sim diante de uma questão de direitos humanos mas não podemos negar sua particularidade. No mais, é desejar que a consciência e a luta finalmente garantam que nada nos defina.


“Que nada nos limite.

Que nada nos defina.

Que nada nos sujeite.

Que a liberdade seja a nossa própria substância. “

Simone de Beauvoir – Escritora Francesa e Feminista


Gostou da resenha e quer ler o livro? Você pode acessá-lo clicando na imagem abaixo. Comprando pela Amazon, você me ajuda a manter a página e não paga a mais por isso 😉


Título em Português: SEJAMOS TODOS FEMINISTAS

Título Original: WE SHOULD ALL BE FEMINISTS

Autor: CHIMAMANDA NGOZI ADICHIE

Gênero: Não ficção – Ensaio

Nr. Páginas: 64

Ano: 2015

Editora: Companhia das Letras

ISBN: 9788535925470

Tradução: Cristina Baum

Para ver o link do livro na página da Editora Companhia das Letras, clique aqui.

3 comentários em “Sejamos todos feministas

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: