Outros jeitos de usar a boca

Como é tão fácil pra você

Ser gentil com as pessoas ele perguntou

Leite e mel pingaram

dos meus lábios quando respondi

porque as pessoas não foram

gentis comigo

Ouvi falar pela primeira vez em Rupi Kaur no curso que estou fazendo sobre mercado editorial. Discutíamos sobre nichos quando alguém trouxe o nome da poeta à tona. Um nome diferente por sinal. Bateu a curiosidade.

Rupi-Kaur-about
Foto de divulgação na página da autora – rupikaur.com

Em seguida, mencionaram o título do livro. Outros jeitos de usar a boca. Já tinha visto esse nome em algum lugar. Google. Quando bati os olhos na capa, lembrei. Claro, já tinha realmente notado este livro nas gôndolas de entrada de quase todas as livrarias que visitei nas férias. E confesso que achei o nome estranho. Também resisti ao fato de ser “mais vendido”.

No entanto, o pessoal do curso falou que a autora é jovem, surpreendendo nas redes sociais, é o quê? Uma instapoeta. Faz as próprias ilustrações. É indiana. Mora no Canadá. Família refugiada. Se auto-publicou. Me ajeitei na cadeira. Pronto: encomendei o livro.

rupikaur-firstwrittenbirth2
Foto divulgação do livro na página da autora – rupikaur.com

O livro chegou e não saiu mais da minha cabeceira. Rupi Kaur tem um talk no TEDx que você tem que ver. Vai muito além do perfil dela no Instagram. Mas assiste a palestra. Essa menina é de uma sensibilidade absurda. A maneira como ela se expressa, seja escrevendo ou interpretando, é arrasadora.

Captura de Tela 2018-03-09 às 18.30.46
I’m taking my body back – TEDxKC

Outros jeitos de usar a boca já chama a atenção porque, no original, é Honey and milk. Busquei saber o motivo e encontrei uma entrevista com a tradutora Ana Guadalupe concedida a Helô D’Angelo no blog Eu, tu, elas. A decisão foi editorial. Acredito que seja muito difícil traduzir poesia. Talvez mais do que a prosa. Não sei o que justificou a questão do título, porém, o conteúdo, pelo que pude comparar com os posts no Instagram, me remete à mesma emoção.

De qualquer forma, a obra é dividida em quatro partes: a dor, o amor, a ruptura e a cura. Rupi carinhosamente te recebe na página de apresentação. E ilustra várias das poesias. Seu traço é fino como um rascunho.

IMG_6571

Os títulos das partes são autoexplicativos. Trata-se de uma poesia curta, com letras minúsculas, sem pontuação (exceto por pontos finais) quase querendo ser lida sem respirar (do mesmo jeito que ela recita no talk). Para quem parece ter uma educação religiosa rígida (Rupi é sikh, uma religião mais conhecida na Índia), é muito interessante observar como ela aborda temas de opressão, abuso, violência doméstica, insegurança comportamento, afetividade, de uma forma muito explícita. Sem nenhum melindre. É chocante e delicado ao mesmo tempo.

IMG_6564 (1)

Para se ter uma ideia da objetividade, além dos poemas, basta saber da polêmica quando ela postou uma foto no Instagram que aparecia uma mancha de menstruação na sua roupa. Era parte de um ensaio fotográfico. A rede social baniu a foto por duas vezes. E ela se manifestou agradecendo o fato de que estaria validando a necessidade de seu ensaio ao mostrar uma realidade que não penaliza a objetificação da mulher, mas que pune a expressão de um ato natural. Afinal, é por causa dela (a menstruação) que estamos aqui. Ou não?…

IMG_6567 (1)

Enfim, Rupi Kaur aborda a questão do momento. A necessidade de falar sobre a igualdade de gênero, a violência contra a mulher, a cultura do machismo e da opressão feminina. Ela desmistifica tabus e naturaliza sentimentos e comportamentos que seriam “inadequados”. Por tudo isso, mesmo sendo jovem, a poesia dela não fala só com as meninas.

E esse é o mundo. Surpresas aparecem na vida e no mercado editorial. A obra da autora está no clique do celular, mas o livro vende lindamente. Seja para ter na cabeceira, seja para presentear, é realmente um deleite. Resta observar como será a continuidade deste trabalho. Pela sua expressividade, acho que Rupi Kaur vai continuar surpreendendo.

 

Surpreender assim como no final do livro em que ela se despede da leitora e do leitor com uma carta linda. Pura emoção e ternura. Gratidão, Rupi.

 


Gostou da resenha e quer ler o livro? Você pode acessá-lo clicando na imagem abaixo. Comprando pela Amazon, você me ajuda a manter a página e não paga a mais por isso.


 

Título Original: Milk and honey

Autor: Rupi Kaur

Gênero: Poesia

Ano: 2014 (auto-publicação)

Título em português: Outros jeitos de usar a boca

Editora: Planeta

Ano edição: 2017

ISBN: 978-85-422-0930-3

Nr. Páginas: 205

Tradução: Ana Guadalupe

Preparação: Julia de Souza

Revisão: Renata Lopes del Nero

Adaptação do projeto original de Victor, S. L.

Ilustrações de capa e miolo: Rupi Kaur

Para ver o link do livro na página da Editora Planeta, clique aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: